Central de agendamento: (19) 3886.2444 | 3876.3435 | 3836.3839 | 3836.3894 | Facebook

10 Coisas que Você Precisa Saber sobre Nefropatia Diabética

 

A nefropatia diabética é uma alteração nos vasos sanguíneos dos rins, que leva à perda de proteína por meio da urina. Nessa complicação, o órgão pode reduzir sua função lentamente, porém, de forma progressiva, até a paralisação total. Contudo, esse quadro é controlável e existem exames para detectar o problema ainda no inicio.

1. Os rins funcionam como filtros no corpo humano e tem a função de eliminar, pela urina, as substâncias provenientes do metabolismo que não tem mais utilidade e, ao mesmo tempo, precisa manter outros elementos que não devem ser descartados, como as proteínas. A nefropatia diabética faz com que o órgão perca a capacidade de filtrar adequadamente essas substâncias.

2. Uma das proteínas que circulam no sangue é a albumina. Ela possui alto valor biológico e fornece todos os aminoácidos essenciais para facilitar a recuperação do organismo. Na fase inicial da nefropatia diabética, aparecem pequenas quantidades de proteína na urina (microalbuminúria). Caso o diabetes continue descontrolado, pode ocorrer quadro de macroalbuminúria, ou seja, grandes quantidades de albumina na urina.

3. A doença não costuma apresentar sintomas. Muitos pacientes, no entanto, notam que a urina passa a ficar espumosa. Caso perceba alterações em sua urina, relate ao seu médico endocrinologista.

4. É comum que na fase inicial ocorra o aumento da pressão arterial (hipertensão). Esta situação merece atenção especial, pois pode levar à insuficiência renal avançada.

5. No diabetes tipo 1, a insuficiência renal progressiva ocorre em cerca de 50% dos pacientes. No tipo 2, observa-se um crescente número dessa complicação. Isso significa que o controle está muito aquém do desejado.

6. Na maior parte das pessoas com o diabetes, o bom controle das taxas de glicemia previne a nefropatia. Mesmo naqueles que já apresentam microalbuminúria na urina, o diabetes bem controlado evita a piora do quadro.

7. Exames frequentes de urina devem ser realizados para detectar a microalbuminúria, que é o indicativo precoce de nefropatia diabética. A perda de proteínas na urina é fundamental para diagnosticar a doença renal do diabético.

8. O tratamento adequado do diabetes e o controle da pressão arterial são considerados fundamentais para evitar esta complicação, podendo, em alguns casos, até mesmo regredir o processo.

9. É recomendável, também, o controle do colesterol, parar de fumar, ter uma dieta mais balanceada e até mesmo o uso de algumas medicações (sempre receitadas por um especialista).

10. Caso já exista perda importante da função renal (insuficiência renal avançada), é necessário se submeter à hemodiálise ou até mesmo à realização de transplante renal.

Fonte: http://www.endocrino.org.br/