Central de agendamento: (19) 3886.2444 | 3876.3435 | 3836.3839 | 3836.3894 | Facebook

Alimentos ricos em fibras ajudam a normalizar função intestinal

​​​Fibras alimentares

  • Fibras são compostos vegetais presentes nos grãos, verduras, legumes e frutas que não são digeridos pelo nosso organismo, passam quase que intactos pelo sistema digestivo e terminam sendo eliminados pelas fezes.
  • As fibras da dieta estão associadas com benefícios importantes para a saúde:
    • Ajudam na manutenção da microbiota intestinal.
    • Estimulam a motilidade intestinal (trânsito intestinal).
    • Contribuem com a consistência normal das fezes, prevenindo assim a diarreia e a constipação intestinal por alterarem a microflora colônica por uma microflora saudável.
    • Colaboram para que somente sejam absorvidas pelo intestino as substâncias necessárias eliminando assim o excesso de glicose (açúcar) e colesterol, favorecendo, então a diminuição do colesterol e triglicérides totais no sangue.
    • Possuem efeito bifidogênico, isto é, estimulam o crescimento das bifidobactérias. Essas bactérias suprimem a atividade de outras bactérias, que são putrefativas e podem formar substâncias tóxicas.

Dicas

  • Evite o consumo de cereais refinados (arroz branco polido, farinha de trigo refinada, fubá, semolina, maisena, polvilho).
  • Substitua alimentos pobres em fibras por alimentos ricos nesse nutriente, para tanto observe as fontes logo a seguir e leia os rótulos de produtos industrializados (pães, torradas, biscoitos, cereais, etc).
  • Para maior benefício, consuma esses alimentos durante o dia, a quantidade de fibras recomendada é de 25 a 30 g por dia, sendo de vital importância que esse consumo se faça acompanhar de, no mínimo, 2 litros de líquidos por dia.
  • Algumas pessoas podem apresentar flatulência (formação excessiva de gases) com o aumento súbito ou excessivo de fibras na dieta. Para evitar que isto ocorra, aumente o consumo de fibras gradativamente.

Alimentos fontes de fibras

  • Leguminosas (feijão, ervilha, lentilha, grão de bico, soja em grão).
  • Grãos, farelos e farinhas integrais (arroz, linhaça, aveia, cevada, milho, trigo).
  • Pães e biscoitos integrais (centeio, farinha integral, milho).
  • Cereais instantâneos e matinais.
  • Vegetais: agrião, alface, abóbora, abobrinha, aipo, aspargos, beterraba, brócolis, couve, acelga, batata-doce, rúcula, escarola, erva-doce, espinafre, repolho, salsa, cebolinha, cebola, cenoura crua, couve-flor, milho verde, nabo, pepino, pimentão, quiabo, rabanete, tomate cru, vagem.
  • Frutas: abacate, abacaxi, ameixa fresca, ameixa seca, amora, banana, caju, cereja fresca, coco fresco e/ou seco, damasco seco, figo fresco e/ou seco, goiaba, kiwi, laranja (com o bagaço), maçã com casca, manga, maracujá, mamão, melancia, melão, tangerina, morango, nectarina, pera com casca, pêssego com casca, tâmara, uva fresca e passa.

Observação: Diariamente, faça um suco de laranja batido com mamão e ameixa seca. Além de saboroso possui alto teor de fibras. (1 copo de 250 ml possui em média 170 Kcal)

Produtos e suplementos probióticos (lactobacilos e similares)

  • A Organização Mundial de Saúde define probióticos como “organismos vivos que, quando administrados em quantidades adequadas, conferem benefício à saúde do hospedeiro” (FAO/WHO, 2001).
  • Como função benéfica no organismo, os probióticos tem efeito sobre o equilíbrio bacteriano intestinal: controle do colesterol e de diarreias e redução do risco de câncer. Os probióticos podem ser componentes de alimentos industrializados presentes no mercado, como leites fermentados, iogurte, ou podem ser encontrados na forma de pó ou cápsulas.
  • Leites fermentados ou iogurtes probióticos disponíveis no mercado devem ser utilizados na quantidade indicada pelo fabricante no rótulo do produto. Indivíduos que possuam alergia, ou problemas de saúde ligados ao trato gastrointestinal ou sistema imunológico, devem utilizar esses produtos apenas com a liberação do médico ou nutricionista responsável.

Produtos e suplementos prebióticos (fibras e similares)

  • Prebióticos são também fibras alimentares que não são absorvidos pelo sistema digestório, chegando intactos aos intestinos. Podem ser obtidos com a própria alimentação ou na forma de suplementos sintéticos.​
  • Os prebióticos suportam ou nutrem o crescimento dos probióticos ou, mais genericamente, de bactérias intestinais benéficas, como a bifidobacteria.
  • Produtos ou suplementos com prebióticos disponíveis no mercado devem ser utilizados na quantidade indicada pelo fabricante no rótulo do produto. Indivíduos que possuam alergia, ou problemas de saúde ligados ao trato gastrointestinal ou sistema imunológico, devem utilizar esses produtos apenas com a liberação do médico ou nutricionista responsável.

Cuidado com suplementos e produtos em pó ou cápsulas. Utilize-os apenas na dose prescrita por seu médico e/ou nutricionista.

Fonte: https://www.hospitalsiriolibanes.org.br/sua-saude/Paginas/alimentos-ricos-fibras-ajudam-normalizar-funcao-intestinal.aspx