Central de agendamento: (19) 3886.2444 | 3876.3435 | 3836.3839 | 3836.3894 | Facebook

CUIDADOS COM OS ALIMENTOS VENDIDOS NA PRAIA

Milho verde, pastel, espetinho de camarão frito, caldinho de feijão, sorvete, chá mate, cocada, empada … a lista de alimentos comercializados nas praias brasileiras é enorme. Mas é seguro consumir esses produtos, com origem desconhecida e conservação duvidosa? E como evitar a desidratação sob o sol e calor do verão?

A temperatura dos alimentos é um bom sinal da qualidade do produto vendido, afirma a nutricionista Thaís Eliana C. de Lima. “Verifique o cheiro e o gosto. Observe se os alimentos estão com boa aparência e odor adequados. Caso fique em dúvida, não coma.”

Os cuidados com a conservação também devem ser observados com a comida levada para praia. “É a opção mais segura e saudável (comida preparada em casa). Porém é importante armazená-la em recipientes térmicos ou com bastante gelo para manter a temperatura sempre baixa”, diz Thaís.

Alerta: frutos do mar

Frutos do mar em geral, como o camarão frito, possuem um alto risco de contaminação por serem alimentos ricos em água, que mesmo submetidos à temperatura na hora do preparo, podem facilmente ser contaminados.

O armazenamento na temperatura incorreta somado à ação do calor e exposição ao sol pode levar a uma multiplicação de microrganismos e prejudicar a saúde dos indivíduos. Um dos principais problemas registrados em hospitais do litoral durante o verão é a gastroenterite, inflamação gástrica que provoca diarreia e vômito.

Também é importante observar o aspecto e a higiene pessoal do vendedor: unhas limpas e aparadas, cabelo preso com touca e uniforme limpo são características importantes.

Mate sua sede

A água de coco é um ótimo repositor hídrico durante o período de calor, atividade física intensa ou mesmo para ser utilizada em casos de desidratação. Além de possuir baixo valor calórico ela proporciona uma forma rápida de hidratação ao organismo.

Porém, como qualquer bebida, ela pode ser contaminada pelo gelo fabricado com água imprópria para o consumo.​​​​

Fonte: http://www.einstein.br