Central de agendamento: (19) 3886.2444 | 3876.3435 | 3836.3839 | 3836.3894 | Facebook

DORES NA COLUNA: 10 FATORES QUE PIORAM O PROBLEMA

Ficar sentado por muito tempo é um dos fatores que causam dores

A dor nas costas pode ser algo simples ou grave – e que, em qualquer dos casos, afeta em torno de 80% das pessoas em algum momento da vida. Na maior parte das vezes, é um problema de origem muscular e surge por consequência de cansaço, levantamento de peso em excesso ou má postura. E pode ser solucionada com medidas simples.

Essa dor é a que mais afasta as pessoas do trabalho no Brasil por mais de 15 dias, segundo ranking do INSS (Instituto Nacional do Seguro Social) quanto aos auxílios-doença concedidos nos últimos dois anos.

Mochilas pesadas pioram as dores. O ideal é que a mala não ultrapasse 10% do peso corporal.

Na última verificação, entre 2016/2017, mais de 116 mil profissionais pediram para se ausentar do emprego em razão do problema.

Mas entender o que se está fazendo de errado (e procurar ajuda médica para lidar com a dor, além de entender por que ela está acontecendo) é um bom começo para se livrar das dores nas costas – e não se tornar uma estatística.

As informações são do Ministério da Saúde e da Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia.

Você está tratando mal sua coluna quando:

Fica sentado por muito tempo

Permanecer sentado por muito tempo causa 40% mais pressão na espinha do que quando estamos em pé. O ideal é se levantar e se alongar um pouco a cada meia hora, pelo menos (especialmente para quem trabalha sentado o dia todo).

Mantém o assento do carro em posição errada

Nem muito próximo ao volante, nem longe demais. O ideal é se sentar no banco em um ângulo um pouco maior que 90 graus – permitindo relaxar braços e pernas sempre que o veículo parar, não sobrecarregando as vértebras e a musculatura.

Foge dos exercícios físicos

Cerca de 40% das pessoas deixam de fazer atividade física quando sentem dores. O motivo, provavelmente, é estar fazendo isso de maneira ou intensidade erradas. Mas caminhar, se alongar ou praticar ioga são exemplos de exercícios que, na verdade, cuidam da coluna.

Lota bolsas, mochilas ou pastas de trabalho

Usar esse tipo de acessório com muito peso, seja em um dos ombros, nas costas ou mesmo atravessados no corpo, causa desequilíbrio e “torce” a espinha. O correto é só carregar bolsas que tenham, no máximo, 10% do seu peso corporal.

Mantém uma rotina alimentar ruim

Comer alimentos processados e calóricos causará aumento de peso e entupimento das artérias – levando a um sobrepeso que afeta e sobrecarrega a coluna também, entre outros efeitos nocivos.

Dorme em um colchão “vencido”

Sim, colchões têm prazo de validade. Ou sofrem avarias pelo uso. O ponto é não insistir em um colchão que ficou velho: isso causa danos à coluna vertebral, que fica em posição errada na hora de relaxar. O correto é trocar o colchão pelo menos a cada 10 anos.

Usa saltos altos

O que vai nos pés causa impacto em toda parte superior do corpo. Os sapatos de salto mais alto sobrecarregam os músculos das costas, que precisam trabalhar demais para manter o equilíbrio. O ideal é rebaixar os saltos ou, ao usá-los, não percorrer grandes distâncias e utilizar palmilhas apropriadas para absorver impacto.

Deixa o estresse tomar conta

Um dos sinônimos dessa condição é a tensão, que atinge em cheio os músculos das costas, região lombar e cervical. Consultar um profissional da saúde sobre técnicas para controle e cura do estresse é a melhor forma de superar as dores.

Assiste muita televisão (ou gruda naquele smartphone)

Estudos em ortopedia mostram que assistir 15 horas de TV por semana já aumenta em três vezes a chance de sentir dor na coluna. No caso dos celulares, a área médica já reconhece até mesmo o “text neck”, um tipo de lesão no pescoço e coluna de quem passa tempo demais curvado, olhando a tela e digitando mensagens. A recomendação é diminuir o uso dos aparelhos e fazer alongamentos a cada intervalo comercial.

Ignora as primeiras dores na coluna

As dores nas costas vêm de algum fator – que não deve desaparecer sozinho. O que quer que esteja causando o problema, a tendência é sempre de piora. Então, procurar um ortopedista ou outro especialista é essencial para identificar as causas e tratar os efeitos.

Fonte: https://coracaoevida.com.br