Central de agendamento: (19) 3886.2444 | 3876.3435 | 3836.3839 | 3836.3894 | Facebook

É possível prevenir a morte súbita no esporte?

Nos últimos anos, diversos episódios de morte súbita em atletas chamaram a atenção da imprensa, da comunidade em geral e dos profissionais médicos para um problema até então pouco valorizado.

Um episódio de morte súbita em atletas traz grandes repercussões, pois ocorre em um indivíduo jovem e considerado pelo senso comum como uma pessoa saudável. A divulgação pelos meios de comunicação é ampla e imediata, e geralmente ocorre diante da torcida e das câmeras.
A morte súbita é definida como um evento inesperado, com perda abrupta da consciência em até uma hora após o início dos sintomas. Ocorre, geralmente, em indivíduos sem sintomas relevantes, porém em quase 90% dos casos há uma doença cardíaca não diagnosticada previamente.
Durante a atividade física, o atleta com este tipo de problema pode desenvolver arritmia maligna e parada cardiorrespiratória (inesperada parada do funcionamento do coração e perda da consciência), que se não for revertida prontamente em alguns minutos leva à morte.
Nos atletas jovens, com menos de 35 anos, as principais causas de morte súbita são as doenças cardíacas congênitas, aquelas presentes desde o nascimento, mas que podem ser silenciosas ou só se manifestarem tardiamente. Pode haver sintomas premonitórios, como dor no peito, palpitações, falta de ar e desmaio, ou a primeira manifestação pode ser já a morte súbita.
Causas de Morte Súbita em jovens atletas nos Estados Unidos

Causas de Morte Súbita em jovens atletas nos Estados Unidos

Condição Porcentagem
Miocardiopatia Hipertrófica 36%
Origem Anômala de Coronária 17%
Miocardite 6%
Displasia Arritmogênica do VD 4%
Prolapso da Valva Mitral 4%
Estenose Aórtica 3%
Infarto Agudo do Miocárdio 3%
Ponte Miocárdica 3%
Síndrome do QT longo 2%
Miocardiopatia Dilatada 2%
Ruptura Aórtica (Marfan) 2%
As causas não cardíacas são mais raras, como a hipertermia (elevação importante da temperatura durante a atividade física) e a asma.
É possível prevenir este trágico evento?
Sim, pesquisas recentes mostraram que a avaliação pré-participação, ou seja, a avaliação médica realizada antes do início da atividade física associada aos exames cardiológicos, principalmente o eletrocardiograma, são fundamentais na detecção das doenças cardíacas que podem levar à morte súbita. Esta avaliação, feita de forma criteriosa e por profissionais habilitados, é capaz de detectar a maioria das doenças que podem trazer complicações durante a atividade física e assim proporcionar que a o exercício seja feito com maior segurança. Se for detectada alguma anormalidade, poderá haver a necessidade de algum tratamento específico ou, em casos raros e extremos, até afastamento definitivo das competições.
Nos atletas com mais de 35 anos de idade, a principal causa de morte súbita é o infarto agudo do miocárdio (“ataque cardíaco”). Para a sua prevenção, além da avaliação pré-participação, todos devem ser incentivados e orientados a adotar um estilo de vida saudável, com alimentação correta, prática regular de atividade física e controlar os fatores agressores do coração, ou seja, aqueles que aumentam o risco cardíaco: obesidade abdominal, tabagismo, hipertensão arterial, diabetes e dislipidemia (elevação do colesterol ou dos triglicérides). Na avaliação médica destas pessoas, muitas vezes há a necessidade de realização de outros exames, como o ecocardiograma e o teste ergométrico.
Diversos atletas, pelo receio de serem afastados da atividade esportiva, evitam ser submetidos à avaliação médica pré-participação, omitem os sintomas e o uso de substâncias proibidas, dificultando o diagnóstico e o tratamento. Este comportamento deve ser reprovado e todos devem estar cientes dos benefícios e da segurança que a avaliação pré-participação propicia.
Fonte: http://www.einstein.br