Central de agendamento: (19) 3886.2444 | 3876.3435 | 3836.3839 | 3836.3894 | Facebook

INSÔNIA: RESPOSTAS PARA AS PERGUNTAS MAIS FREQUENTES

Dormir é fundamental para o restabelecimento físico e mental do indivíduo. Dentre os diferentes distúrbios do sono, o mais frequente é a insônia. Para responder algumas perguntas sobre o assunto, entrevistamos Rosana Cardoso Alves, neurologista e assessora médica em Polissonografia do Fleury. As respostas você confere a seguir:

1- O que é insônia?
A insônia nada mais é do que a dificuldade em iniciar ou manter o sono. O distúrbio pode afetar pessoas de todas as idades e, caso não seja tratada, pode perdurar por anos.

2- Quais são os principais tipos?
• Insônia transitória: incapacidade de dormir bem durante várias noites, geralmente desencadeada por excitação ou estresse;
• Insônia de curto período: ocorre após períodos repetitivos de estresse no trabalho ou em casa, e pode resultar em duas ou três semanas de noites mal dormidas;
• Insônia crônica: caracterizada por sono inadequado ao longo de meses.

3- Quais os fatores que levam à insônia?
• Fatores psicológicos: estresse e a ansiedade;
• Uso de bebidas alcoólicas, substâncias estimulantes – frequentemente a cafeína – e certos medicamentos, como alguns inibidores de apetite;
• Fatores ambientais: os mais importantes são ruído, luminosidade excessiva, desconforto e insegurança;
• Fatores associados ao estilo de vida: períodos irregulares de trabalho, incluindo plantões, viagens e mudanças de fuso horário;
• Problemas de saúde: interrupção momentânea e involuntária da respiração durante o sono, conhecida como apnéia; contrações musculares involuntárias, denominada síndrome das pernas inquietas; doenças psiquiátricas, tais como depressão, ansiedade e esquizofrenia; falta de ar e a fadiga noturna, que podem acompanhar doenças crônicas cardíacas, pulmonares, entre outras.

4- Quais são as consequências de uma noite mal dormida?
Além da irritabilidade, sonolência e dificuldade de concentração – que aumentam o risco de sofrer acidentes – pode surgir também dor de cabeça. Muitas vezes, esses problemas podem ser resolvidos com medidas orientadas por um especialista em Medicina do Sono.

5- Como é o tratamento?
O tratamento da insônia precisa ser individualizado e depende de sua causa. Pode incluir a prescrição ou a interrupção do uso de medicamentos, e habitualmente implica algumas mudança no estilo de vida.

6- Quais são os exames utilizados para pesquisar os distúrbios do sono?
Um dos exames mais utilizados para o diagnóstico dos diferentes distúrbios do sono é a polissonografia, que permite identificar alterações intrínsecas do sono ou relacionadas a ele.

7- Quantas horas um indivíduo deve dormir?
O número de horas de sono necessárias para cada pessoa obedece a um ritmo individual. Por isso, alguns dormem menos que outros e isso é, até certo ponto, normal. Dormir, pelo menos, oito horas por noite não é obrigatório e nem garantia de qualidade de sono em geral.

8- Quando procurar um médico?
Recomenda-se procurar um médico quando há:
• Dificuldade para dormir bem por mais de um mês;
• Sonolência excessiva durante o dia;
• Roncos muito altos, com períodos de pausa na respiração.

9- O uso de medicamentos resolve a insônia?
Alguns medicamentos podem ajudar o indivíduo a dormir ou a diminuir a sonolência no dia seguinte. No entanto, esse alívio pode ser temporário e tem de ser acompanhado de medidas que atuem na causa da insônia. Alguns medicamentos não devem ser empregados quando a pessoa tem determinadas doenças como, por exemplo, a apnéia do sono. Além disso, é importante considerar os riscos de dependência química e de efeitos colaterais sérios, sobretudo em idosos.

10- Quais são as dicas para otimizar o nosso sono?
• Ir para a cama somente quando estiver com sono e acordar nos mesmos horários, mantendo uma rotina diária regular;
• Praticar rituais relaxantes antes de dormir, tais como tomar um banho morno, fazer um lanche leve ou fazer dez minutos de leitura;
• Evitar a prática de exercícios físicos muito intensos à noite;
• Evitar consumo de cigarros, cafeína, álcool e outros estimulantes.

Fonte: http://www.fleury.com.br/