Central de agendamento: (19) 3886.2444 | 3876.3435 | 3836.3839 | 3836.3894 | Facebook

OS MARCOS DO DESENVOLVIMENTO INFANTIL DE O A 4 ANOS

DE 0 A 12 MESES

Seu filho acaba de nascer. É um momento de muitas mudanças, inclusive, no seu corpo. Depois do nascimento, o organismo do bebê ainda está em adaptação, seu sistema digestivo amadurecendo e os olhos em desenvolvimento – por isso o bebê só consegue ver o que está bem próximo. A partir do segundo ou terceiro mês os olhos serão capazes de acompanhar o movimento de objetos e pessoas e o bebê também será capaz de reconhecer seus pais.

O crescimento nessa fase é por volta de 2,5 cm por mês e o bebê ganha cerca de 200 gramas por semana. Nos primeiros meses de vida é que ele começa a reconhecer os sons. Barulhos altos podem assustá-lo, então procure mantê-lo em ambientes calmos e tranquilos, pois tudo que ele quer nessa fase é dormir e se alimentar.

Troque a fralda sempre depois de alimentá-lo e dê banho sempre no mesmo horário todos os dias: criar uma rotina ajudará a desenvolver padrões de comportamento.

É nessa fase também que ele vai começar a tentar segurar objetos que estão por perto e perceber padrões. Procure manter uma rotina para que ele sinta segurança e conforto, fixe horários para atividades – é nessa fase também que o bebê começa a reconhecer padrões comportamentais.

O cérebro do recém-nascido ainda é muito imaturo e seu desenvolvimento ocorrerá consideravelmente durante a primeira infância, principalmente nos três primeiros anos de vida. Nessa fase, há uma grande proliferação no número de neurônios, assim como as conexões entre eles (chamadas sinapses). Essa “alta produção” de sinapses será mantida até a adolescência.

Os bebês nascem com bilhões de neurônios e ao longo do tempo eles irão amadurecer as conexões. E são essas conexões que estabelecem o circuito básico da arquitetura do cérebro e mais tarde os circuitos mais complexos.

Os circuitos e conexões se multiplicam rapidamente e fortalecem por meio do uso frequente, as experiências e o ambiente onde vivemos é que determinam como será o desenvolvimento e quais conexões serão mais solicitadas. Neurônios que não são importantes no processo de aprendizagem irão desaparecer, enquanto os mais usados se fortalecerão.

O cérebro de um recém-nascido atinge metade do tamanho da fase adulta nos três primeiros meses de vida.

O desenvolvimento das habilidades motoras e o controle de comportamento, linguagem, memória e emoções ocorrem no período inicial. Os circuitos são interligados e ficam mais eficientes com o estímulo e uso frequente – habilidades vão se complementando conforme necessidades.

paladartato e olfato começam o desenvolvimento já no primeiro trimestre de gestação. A audição no segundo trimestre e por volta da 20ª semana o ouvido interno do bebê já está totalmente formado. Ao nascer, o recém-nascido possui uma audição totalmente desenvolvida.

Segundo o dr. Luiz Guilherme Florence, desde o nascimento o bebê tem a percepção das emoções e sensações de seus pais, como ansiedade, carinho, etc. De maneira geral os meninos desenvolvem um pouco antes habilidades motoras, enquanto meninas, as habilidades linguísticas. No decorrer do desenvolvimento as habilidades se equiparam.

dra. Mariana explica que, em geral, a criança começa a balbuciar vogais por volta dos 4 meses. Sons com consoantes e sílabas são emitidos por volta dos 9 meses e as primeiras palavras com significados conexos por volta de 1 ano de idade.

São várias as áreas importantes do cérebro ligadas à linguagem, mas as mais importantes são a área de Broca (parte do cérebro responsável pela expressão da linguagem e que contém os programas motores da fala) e a área de Wernicke (região do cérebro humano responsável pelo conhecimento, interpretação e associação das informações, mais especificamente a compreensão da linguagem).

“Na média, as meninas começam a falar um pouco mais cedo que os meninos, mas isso pode variar muito entre cada criança”

Seu bebê consegue se comunicar, levantar a cabeça, repetir ações e compreende cerca de 20 a 30 palavras. Ele também já é capaz de fazer e discriminar expressões faciais e movimentos específicos. Pode inclusive ter um choro diferente para cada situação de desconforto. Também pode sorrir, agitar braços e pernas, arrastar e rolar o corpo e aos 9 meses será capaz de engatinhar e até mesmo dar pequenos gritos.

Por volta do sexto mês de vida, os primeiros dentes começam a nascer. Nessa fase ele adora segurar objetos e colocá-los na boca para coçar a gengiva – na tentativa de aliviar este desconforto. Agora, o bebê pesa o dobro de quando nasceu e está 15 cm maior, crescendo em média 2,5 cm por mês (vale ressaltar que cada bebê tem seu próprio ritmo).

Ele fica cada vez mais independente, quer explorar o mundo e está cheio de disposição. Já pode engatinhar, sentar sem apoio e ficar em pé com pouca ajuda.

visão da criança se desenvolve aos poucos, diferentemente da audição, que está plenamente amadurecida após o primeiro mês de vida. A visão do recém-nascido é extremamente embaçada. Eles só conseguem enxergar bem a uma distância entre 20 e 45 centímetros – o que permite distinguir apenas a luz, formas e movimento. A visão se tornará melhor com o tempo e aos 8 meses ele enxergará praticamente igual a um adulto.

Nas primeiras semanas, o bebê ainda não consegue usar os olhos de forma sincronizada, no entanto, é durante o primeiro mês que ele aprende a focalizar os dois olhos e torna-se capaz de acompanhar com o olhar um objeto em movimento.

dra. Larissa Rezende explica que, no segundo mês de vida, o bebê ainda tem dificuldade para distinguir tons parecidos, como vermelho e laranja, embora seja capaz de distinguir as cores desde o nascimento. Entre o segundo e quarto mês as diferenças entre as cores ficam mais evidentes. O bebê começa a distinguir melhor os tons. Com isso, começa a mostrar preferência por cores primárias, fortes, por formatos e desenhos mais detalhados e complexos.

As cores fortes chamam muito a atenção dos recém-nascidos, como vermelho, amarelo e azul. E eles geralmente preferem cores contrastantes como o branco e preto.

É durante o quarto mês de vida que o bebê começa a desenvolver a percepção de profundidade. Isso ocorre paralelamente ao desenvolvimento das habilidades motoras (braços, pernas), que será muito útil nessa fase.

Do oitavo mês em diante a visão do bebê, que antes chegava no máximo aos 50% de percepção, é quase igual a de um adulto em termos de percepção de profundidade. Ele ainda enxerga melhor de perto, mas com 8 meses já vê o suficiente para reconhecer pessoas próximas. Por sua complexidade, o desenvolvimento visual completo ocorre apenas aos 3 anos de idade.

Por volta dos 9 meses, o bebê mede cerca de 70 cm e pesa algo em torno de 8 a 9 quilos. Nessa fase começam as tentativas de comunicação: ele bate palmas, joga beijos e entende quando acenam e dizem “tchau”. É comum que ele repita os gestos, pois aprende muito por imitação.

DOS 12 AOS 24 MESES

É nessa época que você se dá conta de quanto seu bebê cresceu! Ele anda sem apoio de objetos e por volta de 1 ano e 6 meses começa a correr, subir nos móveis e explorar tudo a sua volta. É capaz de subir e descer escadas, pular e abaixar sem cair, pois aprendeu a equilibrar-se e sua coordenação motora está bem mais desenvolvida.

No primeiro ano de vida, o bebê triplica de peso, mas entre 1 e 2 anos o ritmo de crescimento estabiliza. O peso aumenta em torno de 20% – alcançando cerca de 10 a 12kg.

Mantenha a rotina de seu bebê bem organizada, principalmente em relação a alimentação e ao sono.

Nessa fase ele começa a se comunicar mais, com palavras curtas, como “mamãe” e “papai”. Mais perto dos 2 anos começará a construir frases de até 3 palavras, compreender cerca de 100 e utilizar um vocabulário de 50 a 300 palavras entre os seus 16 a 24 meses de idade.

Seu bebê está crescendo. Você perceberá que aos poucos ele ficará mais com jeito de criança. Essa é uma fase muito importante para o desenvolvimento intelectual do seu filho.

Em geral as crianças começam a dar os primeiros passos entre 1 ano e 1 ano e seis meses. A coordenação motora ampla é aquela relacionada aos movimentos dos grandes grupos musculares, que vão possibilitar atividades como andarcorrer e escalar, por exemplo. E a coordenação motora fina é aquela que diz respeito a atividades mais delicadas, como desenharescrever, se alimentaramarrar sapatos, etc.

De maneira geral, os meninos são mais ativos e acabam desenvolvendo mais a motricidade ampla por conta disso, enquanto meninas são um pouco mais tranquilas e acabam optando por brincadeiras que vão desenvolver mais a motricidade fina.

Porém existe uma variabilidade: há meninas mais ativas e que vão desenvolver mais a motricidade ampla, ao mesmo tempo há meninos mais calmos que desenvolverão mais a motricidade fina. E essa não é uma regra!

Existem transtornos, como o TDAH (Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade), com frequência maior de hiperatividade entre os meninos, enquanto nas meninas o sintoma mais prevalente é a desatenção – o que pode modificar completamente os desenvolvimentos motores da criança.

 DE 2 A 4 ANOS

Agora, o bebê é capaz de entender o que é dito a sua volta. Seu cérebro parece com uma esponja, absorvendo tudo que acontece e ele começa a copiar o que as pessoas fazem ou falam. Por isso é importante que a família evite ter comportamentos agressivos ou qualquer outro que considerem prejudicial perto do bebê. Afinal, ele irá copiar vocês. Não esqueça que seu filho também está descobrindo como as coisas funcionam e a curiosidade faz parte dessa fase. Você tem um papel fundamental para que ele continue aprendendo coisas novas.

Ele já possui uma visão periférica desenvolvida, consegue desenhar figuras, corre, anda de triciclo, chuta e pega bola mais facilmente. Seu vocabulário possui em torno de 600 palavras aos 2 anos e ele também já possui uma lógica e consciência fonológica mais desenvolvida. Nessa fase também são notadas expressões faciais mais complexas, como o orgulho, constrangimento e a vergonha.

Por volta dos 2 anos o bebê começa a avisar que quer fazer xixi e cocô. Um momento ideal para iniciar a retirada de suas fraldas, mas lembre-se que cada criança tem o seu ritmo.

É comum nessa fase que o bebê fique mais sociável e prefira ter companhia para brincar. Isso é ótimo para que ele melhore sua comunicação e aprenda a dividir brinquedos e coisas. Um bom momento também para aprender regras de convivência e que você, mamãe, ensine como é a melhor forma para ele se relacionar e brincar com os novos amigos.

CONCLUSÃO

Como percebemos, após o nascimento, o desenvolvimento de meninos e meninas é similar até a puberdade e adolescência, quando os hormônios iniciam seu trabalho e o aparelho reprodutor evidencia diferenças.

Antes disso, essas diferenças serão relacionadas ao comportamento aprendido ou estímulos recebidos e não propriamente ao desenvolvimento corporal.

Ou seja, as diferenças comportamentais percebidas estão ligadas a nossa herança genética, adaptação ao ambiente, convívio e estímulos recebidos – e isso pode variar em cada criança, dependendo dos incentivos de seus pais, que serão, em grande parte, a maior influência no comportamento de uma criança.

É muito importante que os pais estimulem o desenvolvimento das habilidades em seus filhos ao longo de toda infância, ajudando no desenvolvimento de funções cognitivas, corporais, culturais e de aprendizagem.

Fonte: https://www.einstein.br