Central de agendamento: (19) 3886.2444 | 3876.3435 | 3836.3839 | 3836.3894 | Facebook

SAIBA SE PROTEGER DO CALOR INTENSO NESTE VERÃO

Altas temperatura, além de desagradáveis, podem causar doenças. Saiba como se refrescar de forma saudável

O calor do verão brasileiro traz consequências para todos. Sair na rua durante o dia e dormir com a temperatura alta está complicado. Além do desconforto, a exposição ao calor excessivo pode provocar consequências negativas para o nosso organismo.

“Altas temperaturas estão ligadas basicamente à desidratação. Por isso, se não houver hidratação adequada podem ocorrer sintomas como tonturas, desmaios, cansaço, palpitações, mal-estar e, em casos extremos, até a morte”, alerta a pediatra do Pronto Atendimento do Einstein, Milena de Paulis.

Por isso, segundo ela, é recomendado a ingestão de pelo menos dois litros de água todos os dias, além de evitar uma exposição prolongada ao sol. “Não devemos nos expor ao sol entre 10 e 16 horas. Trinta minutos ao dia de exposição já são suficientes para sintetizar a vitamina D. Além disso, o filtro solar deve ser sempre usado, independente do tempo quente ou frio. Deve ser aplicado antes de sair de casa e toda vez que houver suor excessivo.”Dormir no calor: o eterno martírio

Fugir da exposição solar é uma ótima ideia para não sofrer com o calor durante o dia, mas e na hora de dormir? De acordo com a especialista, a dica para não ficar “cozinhando na cama” é cuidar do ambiente antes de deitar.

“O ideal é deixar a casa arejada durante o dia”, pontua a dra. Milena, fazendo um alerta sobre o uso excessivo do ar-condicionado. “Ele não deve ficar ligado durante a noite toda. O ideal é ligá-lo no começo da noite e após algumas horas desliga-lo para não ressecar o ambiente. A temperatura ideal é entre 20 a 22ºC. Existem no mercado aparelhos inteligentes que desligam e ligam automaticamente.”

Segundo ela, a “dosagem” no uso do ar-condicionado deve ser feita por conta dos ácaros. “Quando usado continuamente, ele resseca o ambiente. Com a umidade do ar alta, o ressecamento do ambiente ajuda a eliminar os ácaros, já que eles dependem de umidade para se proliferar. No tempo seco, ao contrário, os ácaros do ambiente interno podem ser ‘espalhados’ para o ar e causar alergias, como rinite e asma. Além disso, não devemos nos esquecer de fazer a cada seis meses a manutenção dos filtros, já que podem conter fungos e bactérias capazes de causar mal-estar, febre, tosse, falta de ar e pneumonia.”

Ventiladores também podem causar problemas

Além dos ar-condicionados, os ventiladores também precisam estar com a manutenção em dia para não proliferarem doenças. Conforme deixa claro a médica, as pás devem estar limpas, sem pó, e o quarto também – com poucos móveis e bichos de pelúcia.

“Caso contrário, quando o ventilador for ligado os ácaros serão suspensos no ar e os sintomas respiratórios aparecerão. Quando for utilizar o ventilador, ele deve ser colocado na altura do chão e com o vento direcionado para cima, nunca diretamente para o rosto para não ressecar as secreções do nariz e causar entupimento e ressecamento da garganta.”

Com algumas orientações, além de amenizar os efeitos do calor é possível ficar livre de doenças típicas do verão. Quando falamos em crianças ou idosos então, os cuidados podem ser ainda mais valiosos.

“Crianças e idosos sofrem mais porque têm menor capacidade de regular o fluxo sanguíneo e das glândulas sudoríparas. Além disso, a pele deles é mais fina e por isso desidrata mais. Na criança, a respiração é mais rápida, o que facilita a perda de água e consequentemente a desidratação”, finaliza a especialista.

Dicas para amenizar as altas temperaturas:

  • Hidratação é o mais importante: beber pelo menos 2 litros de água/dia.
  • Evite exposição na rua e praticar atividade física ao ar livre entre 10 e 16 horas.
  • Lave as narinas e os olhos com soro fisiológico várias vezes ao dia.
  • Areje a casa durante o dia: entre 10 e 16 horas é o período de maior concentração de calor. O uso de umidificadores pode ser útil nesse período, mas cuidado! A umidificação excessiva do ambiente pode facilitar o mofo e a proliferação de ácaros e piorar os quadros respiratórios, principalmente para quem é alérgico. O uso desses umidificadores não deve ultrapassar 2 horas!
  • O uso do ar condicionado pode ser uma alternativa, mas atenção! A manutenção dos filtros deve estar em dia.
Fonte: https://www.einstein.br