Central de agendamento: (19) 3886.2444 | 3876.3435 | 3836.3839 | 3836.3894 | Facebook

SEIS FORMAS DE SE PREVENIR DAS MICOSES

A umidade e o calor, comuns no verão, são fatores que favorecem o aparecimento de micoses superficiais, infecções causadas por fungos geralmente nos pés, virilhas e couro cabeludo. Apesar de estarmos nos aproximando da estação ideal para a proliferação dessa doença de pele, podemos adotar medidas simples para nos proteger.

Dermatologistas no Hospital Sírio-Libanês, Dra. Luciane F. F. Botelho e Dr. Fernando Augusto Almeida destacam alguns cuidados preventivos contra as micoses:

1) Secar cuidadosamente as regiões de dobras do corpo, como axilas, dedos dos pés e virilha.

2) Evitar usar calçados fechados por longos períodos, dando preferência aos mais largos e ventilados, especialmente no verão.

3) Usar chinelo ou sandália em locais que sempre estão úmidos, como vestiários, saunas e áreas ao redor de piscinas.

4) Evitar compartilhar toalhas, roupas, escovas de cabelo e bonés, pois esses objetos podem transmitir fungos.

5) Evitar roupas muito quentes e aquelas feitas em tecidos sintéticos, pois não absorvem o suor, prejudicando a transpiração da pele.

6) Usar o próprio material ao ir à manicure, como alicates, lixas e palitos de unhas.

Principais tipos de micose

As micoses superficiais geralmente provocam coceira e descamação no local atingido e podem ser divididas em:

  • Pitiríase versicolor — É muito prevalente, especialmente entre jovens que têm a pele oleosa e frequentam piscina e praia. “Pode evoluir de forma crônica e reaparecer com frequência”, detalha Dra. Luciane. Mais comum em partes do corpo que acumulam gordura, como costas, couro cabeludo e braços.
  • Tinha inguinal (virilha) e pés — Ocorre principalmente quando essas partes do corpo ficam úmidas por várias horas. As micoses nos pés são mais frequentes entre usuários de academias e clubes.
  • Candidíase — Causada pelo fungo cândida, pode comprometer isolada ou conjuntamente pele, unhas e mucosas (epitélio que recobre narinas, boca, entre outros órgãos). “Por ser causada por um fungo oportunista, existem situações que favorecem seu desenvolvimento como diabetes, imunodeficiências, uso prolongado de antibióticos ou imunossupressores, além de umidade e calor”, explica Dr. Almeida.
  • Onicomicose — Micose que acomete as unhas, principalmente as dos pés. Um trauma no dedão do pé (hálux) pode levar ao descolamento da unha e, consequentemente, favorecer a infecção por fungos, principalmente em situações de umidade e uso de calçado fechado por várias horas.

Como tratar as micoses?

Os tratamentos das micoses superficiais geralmente são feitos com cremes antifúngicos ou medicamentos de via oral, conforme o tipo de infecção e sua extensão. A presença de doenças hepáticas pode ser uma contraindicação para o uso de certos remédios orais. Portanto, na suspeita de micose, o mais indicado é consultar um médico.

Fonte:https://www.hospitalsiriolibanes.org.br