Central de agendamento: (19) 3886.2444 | 3876.3435 | 3836.3839 | 3836.3894 | Facebook

SEU FILHO SERÁ UM ADULTO SAUDÁVEL ?

Cuidados na gravidez e nos primeiros anos de vida da criança podem evitar doenças no futuro.

Do ponto de vista da saúde, no dia do nascimento o bebê já traz uma longa história. Além da genética que determina inúmeras características, inclusive a propensão para certas doenças, a criança chega ao mundo com o histórico de sua vida intrauterina, que pode influenciar a saúde na infância e na fase adulta de maneira positiva ou negativa . E essa influência continua a cada dia de vida do bebê, da criança e do adolescente. Parte da saúde do futuro adulto está sendo construída nessas etapas, e há muita coisa que pode ser feita para assegurar uma vida saudável.

Vários estudos mostram que algumas doenças que acometem adultos e idosos podem ter suas raízes na infância ou na fase fetal, como a aterosclerose, o diabetes, a síndrome metabólica e o acidente vascular cerebral.

Doenças que atingem a mãe – como infecções, hipertensão ou diabetes mal controladas – podem prejudicar a oxigenação e a nutrição do feto, e por isso o bebê já nasce com maior predisposição para ter problemas de saúde. Crianças que nascem abaixo do peso ou prematuras têm mais chances de desenvolver doenças cardiovasculares, diabetes e hipertensão. Além disso, prematuros são mais propensos a doenças respiratórias. Uma das principais causas de prematuridade são as infecções genitais na mãe, que podem ser diagnosticadas e tratadas com um acompanhamento pré-natal adequado.

Destaque: A criança chega ao mundo com o histórico de sua vida intrauterina, que pode influenciar de maneira positiva ou negativa a saúde na infância e na fase adulta.

Alimentos industrializados, muito gordurosos ou calóricos e TV/computador/jogos eletrônicos formam um desastroso conjunto de elementos que favorecem o excesso de peso em crianças, além de problemas como hipertensão e colesterol alto. Aqui os pais têm grande dose de responsabilidade. Até os dois anos, a criança só come o que a mãe dá. Portanto, é fácil introduzir uma dieta com verduras, legumes, frutas, cereais integrais, pouco açúcar ou sal. Depois, é preciso manter uma rotina de seis refeições diárias com cardápio variado (a televisão deve ser desligada nesses horários). Uma hora de atividade física por dia e passeios ao ar livre em família no fim de semana são altamente recomendáveis.Ajudam a controlar o peso, favorecem a socialização e minimizam o tempo passado em ambientes fechados, onde há mais agentes que podem causar alergias.

Atividades lúdicas, culturais e esportivas junto com os pais contribuem para o desenvolvimento físico e intelectual das crianças. Pais que não bebem, não fumam, não usam drogas ajudam a criança a criar comportamentos positivos. É bom lembrar: o que educa a criança não é o discurso, é o exemplo dos pais. E o melhor que eles podem fazer é se empenhar para criar hábitos saudáveis. Com isso, terão feito a sua parte para que, quando adultos, os filhos vivam melhor, por mais tempo e com menos doenças.

Você sabia que é possível evitar a prematuridade?

Uma das coisas que pode acontecer se a gestante não cuidar da sua saúde durante a gravidez é a prematuridade – o nascimento do bebê antes da 38ª semana de gestação.

Existem algumas medidas de prevenção que podem ser adotadas durante o pré-natal, como exames regulares (ultrassonografia transvaginal para medida do colo, ultrassonografia transabdominal, dosagem de fibronectina cervical) e bons hábitos alimentares.

O bebê prematuro caracteriza-se pela imaturidade do seu organismo, o que o torna mais vulnerável a determinadas doenças e, também, mais sensível a alguns fatores externos. O risco associado a esta situação depende do grau de prematuridade e do peso.

A prematuridade vem acompanhada por alguns riscos que afetam os bebês. Por isso, eles precisam de mais cuidados do que crianças que tiveram uma gestação completa. É de fundamental importância que mãe, pai, irmão e todas as outras pessoas que convivem com o bebê se mantenham informados sobre estas doenças – sintomas, tratamentos – e peçam sempre orientação do médico pediatra.

Fonte: http://www.einstein.br