Central de agendamento: (19) 3886.2444 | 3876.3435 | 3836.3839 | 3836.3894 | Facebook

SÍNDROME MÃO-PÉ-BOCA

​O que é

A síndrome mão-pé-boca é uma doença causada por vírus, em especial o coxsackievirus tipo A, onde surgem vesículas na boca, nas mãos e nos pés – daí a origem do nome.
Incidência
Ocorre no verão e outono, principalmente, nas crianças até os cinco anos de idade, mas adolescentes e adultos não estão livres de apresentarem os sintomas.
Causas
A transmissão do vírus ocorre por contato com as vesículas, secreção respiratória, saliva e fezes das pessoas que estão infectadas.
Quais são os riscos?
É uma doença benigna e autolimitada, ou seja, assim como vem, vai embora. Algumas vezes, porém, pode causar desidratação e hipoglicemia quando a criança tem dificuldade de ingerir líquidos e alimentos. Raramente o vírus pode causar inflamação no coração (miocardite) e no cérebro (encefalite).
Sintomas
Pode causar febre, que pode atingir temperaturas superiores a 39°C. Sua duração é de 2 a 3 dias. A apresentação mais comum são as vesículas dolorosas na boca, nas mãos e nos pés, mas que também podem estar presentes nas nádegas e genitais. Não é infrequente o aparecimento de um exantema (bolinhas vermelhas) na pele. Como as vesículas são dolorosas, muitas crianças apresentam um aumento da salivação pela dificuldade de engolir.
​Diagnóstico
Clínico. Não há necessidade de nenhum exame de laboratório para a sua confirmação.
Tratamento
O mais importante é manter uma boa hidratação através da oferta de líquidos de forma frequente. A alimentação pode ser a base de alimentos pastosos e frios, como gelatina, pudim, sorvete, o que facilita a deglutição. O uso de analgésicos e anti-inflamatórios podem ser usados para aliviar a dor.
Prevenção
A principal medida para a prevenção é evitar o contato com pessoas doentes e lavar bem as mãos com água e sabão, assim como as superfícies dos móveis e brinquedos que a criança teve contato. Crianças doentes devem ser afastadas da escola ou creche até não apresentar mais nenhuma vesícula.
Fonte: https://www.einstein.br